segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Classic Albums: Dark Side Of The Moon - Pink Floyd


Anciosos para se desprender da densa nuvem do rock psicodélico, o Pink Floyd se reuniu na cozinha do baterista Nick Mason e fez uma lista de coisas que os preocupavam; entre elas, dinheiro, morte, tempo e loucura. Todas essas questões foram combinadas e criou-se uma música, intitulada Eclipse (A Piece For Assorted Lunatics), que foi tocada durante um anos nas apresentações da banda.

Quando os quatro jovens ingleses entraram no lendário estúdio Abbey Road em junho de 1972, já sabiam que iriam fazer um disco com um tema (naquela época não havia o termo ''disco conceitual'') e que falasse sobre as pressões de viver no mundo moderno, mas que fosse, simultaneamente, pop e que pudesse ser cantado por multidões; afinal de contas, como disse o próprio Roger Waters, ''ainda tinha um objetivo comum, que era ficar rico e famoso''.

Desde a trágica saída de Syd Barret, fundador e principal compositor da banda, em 1968, o Pink Floyd fez músicas abordando a loucura, de certa forma, inspirados pelos acontecimentos com o ex-colega de banda. A quase esquizofrênica Echoes, retrata bem isso com os versos ''Estranhos passando na rua/Dois olhares se cruzam acidentalmenteEu sou você e o que eu vejo sou eu. Essa influência iria aparecer mais tarde em Wish You Were Here e é parte crucial do enredo de Dark Side Of The Moon.


Um fator que chama atenção no álbum é a sua notável capacidade de harmonizar extremos: enquanto Money, um blues rock com solo de sax, era o primeiro hit single do Floyd, On The Run foi uma das primeiras tentativas de se fazer música do futuro, com sons de carros espaciais, batimentos cardíacos, gritos e passos, que iam aumentando a velocidade até ser tudo finalizado numa grande explosão. Essa canção foi feita em um sintetizador VCS3 por David Gilmour e Roger Water após o guitarrista tocar uma sequência nesse teclado. Waters gostou do som e foi acelerando a velocidade e adicionando efeitos sonoros. Poucos sabem, mas On The Run deriva de uma música que a banda tocava em shows antes do Dark Side. Ela era chamada The Travel Section, uma jam entre o guitarrista Gilmour e o tecladista Richard Wright. Apesar dessa versão primitiva ser excelente, os integrantes a viam apenas como uma ponte entre Breathe, uma cópia descarada de Down By The River, de Neil Young Time; essa insatisfação foi embora após a criação de On The Run.

Time, por sua vez, formada uma composição fria de Waters, com a reflexiva linha ''Aguentando um desespero quieto é o jeito inglês'' e um dos maiores solos de guitarra do conjunto inglês, recheado de feeling, é uma das músicas mais emblemáticas do clássico. Aqui as virtudes da produção são mais notáveis, com vários relógios alarmando em uníssono. Vale lembrar que em 1971 não haviam os mesmos artifícios tecnológicos que estão disponível nos estúdios de hoje em dia. 

Cinco mulheres fizeram os backing vocals em diversas faixas do disco, mas apenas uma foi genial: Clare Torry, que improvisou sobre a apoteótica The Great Gig In The Sky e acabou se tornando uma das maiores performances vocais da história da música. Us And Them é outro ponto alto; um belíssimo tema com instrumental criado pro Richard Wright, um grande admirador de Jazz, para o filme Zabriskie Point, mas que foi rejeitada pelo diretor Michelangelo Antonioni por ser ''muito triste''. 

As enigmáticas Brain Damage, frequentemente chamada de ''Lunatic Song'' durante as sessões de gravações e Eclipse encerram o disco. Nesta última, é ouvido batimentos cardíacos, que também abrem a audição na intro Speak To Me, e uma voz, dizendo ''não há lado escuro da lua, na verdade. De fato, é tudo escuro''. Essa voz é do porteiro do estúdio Abbey Road, Jerry ODriscoll. Outras pessoas foram entrevistadas, incluindo Paul McCartney, sendo que este não teve sua entrevista publicada por conter respostas demasiadamente cautelosas. Nessas conversas, eram feitas das mais variadas perguntas; Roger Waters lembra que começavam com ''qual a sua cor preferida?'' e ia até ''quando foi a última vez que você ficou violento? Você tinha razão?'' ''você já pensou que pode enlouquecer?''. 


Roger Waters em 1972. Quando perguntado sobre o Dark Side, ele respondeu: ''Este disco era uma expressão de empatia política, filosófica e humanitária que estava louca pra sair.''

Dark Side Of The Moon ficou 741 semanas nas paradas, vendeu 45 milhões de cópias e é o terceiro disco mais vendido do mundo, perdendo apenas para Thriller (Michael Jackson) e Back In Black(AC/DC). Ele não é apenas o melhor disco de uma banda clássica, é uma das maiores manifestações culturais; levou a música underground e o rock progressivo de maneira geral ao mainstream com um disco de temas pesados e indigestos com uma sonoridade ambígua: apresenta os valores da música pop mas também pode criar novos caminhos em sua mente. 


Tracklist:
01 - Speak to me
02 - Breathe
03 - On the run
04 - Time
05 - The great gig in the sky
06 - Money
07 - Us and them
08 - Any colour you like
09 - Brain damage
10 - Eclipse

Fonte: The Metropolis Music Blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário